Novos desafios

Lideranças estaduais e municipais maranhenses dão início às conversações que miram a disputa eleitoral de 2022. O próprio governador Flávio Dino (PCdoB) já vem dando alguns passos com o objetivo de manter sua hegemonia política no próximo ringue do poder estadual.

No caso de Caxias, a próxima disputa eleitoral trará desafios novos e instigantes para os agentes políticos que formam o poder local e estadual. A pandemia de covid-19, as mortes daí oriundas e suas demais funestas consequências já são um cenário que por si só vão render muitas discussões. Por enquanto, no entanto, a minúscula oposição caxiense não consegue admoestar o prefeito Fábio Gentil, que prossegue com um discurso vitorioso, embora tenha uma fraca atuação em meio à doença que continua infectando e matando muita gente na região.

Mas as coisas devem mudar quando vier a futura campanha eleitoral… Já se antever, por exemplo, dificuldades no núcleo duro para convencer os aliados governistas a se juntar em torno da candidatura de Amanda Gentil, a filha mais velha do prefeito que hoje trabalha abertamente para se eleger deputada federal em 2022 (Coluna Caxias em Off/Jornal Pequeno de quarta-feira passada, 19/05/21).

Quem é Ironaldo Alencar no jogo do bicho?…

Afinal, o que é mesmo o empresário Ironaldo Alencar no jogo do bicho da política caxiense? É um regra três? Um faz tudo?…

Ironaldo Alencar se jacta de amigo pessoal do governador Flávio Dino, mas, ao mesmo tempo, também mantém relação com o deputado Maranhãozinho, o senador Weverton Rocha, Eliziane Gama, Fábio Gentil, Cleide Coutinho, Kédson Lima, Zé Reis e diversos outros políticos que parecem ser adversários na região leste maranhense.

Seria Ironaldo uma espécie de eminência parda de todos eles, ou apenas mais um que soube entender que o jogo é sempre o mesmo nesta terra de muro baixo?

Postura irresponsável do governo na pandemia de covid-19…

Tenho criticado aqui a postura irresponsável do governo de Caxias MA em relação à forma com que trata a pandemia de covid-19 no município e, principalmente, a insistente tentativa de esconder da população a realidade dos números de infectados e mesmo de mortes por conta da maligna doença.

Ultrapassou os limites

Mas, por último, o governo de Caxias ultrapassou todos os limites do dever, da obrigação e do bom senso quando, desde a quarta-feira passada (26/08), deixou de atualizar de vez o boletim oficial do novo coronavírus (Reveja postagem aqui)… Pior, nem uma nota pública do porquê da falta de atualização dos números.

Mais vozes

Porém, mais vozes se somam à indignação da falta de respeito para com os cidadãos caxienses em relação ao assunto.

Perplexidade

Veja vídeo abaixo do programa ‘Boa Tarde Caxias’ (TV Sinal Verde Difusora), do jornalista Ricardo Marques, que também expressou sua perplexidade com o desleixo do governo Fábio Gentil quanto à covid-19:

Caxias a partir de 2021 terá nova realidade política…

Qualquer que seja o resultado da eleição de 15 de novembro, como ficarão os ex-integrantes do grupo Coutinho, principalmente os que decidiram seguir carreira solo, lançando-se pré-candidatos a prefeito agora?

Nova realidade

Fora essa dúvida, uma coisa é certa: a partir de 2021 estará demarcada uma nova realidade político-partidária no município mais importante do leste maranhense.

Mudanças ocorridas

Não irá importar se Fábio Gentil será ou não reeleito no próximo pleito. O que irá importar mesmo foram as rupturas político-partidárias ocorridas no ano de 2020 e suas consequentes subdivisões, cujos reflexos práticos ainda se farão sentir só depois do resultado da emblemática disputa de agora.

Esse povo todo também descobriu a cura?!…

Após os exemplos do prefeito de Matões, Ferdinando Coutinho, e do de Caxias, Fábio Gentil, agora foi a vez dos pré-candidatos Adelmo Soares e Thais Coutinho também promoverem aglomeração político-partidária.

Pergunta

Isso foi durante o movimento ‘Adesivaço’ de hoje… Daí a pergunta também disseminada nas redes sociais: “Eles também descobriram a cura?!”…

O risco

Cuidado, olha que a covid-19 continua latente e atuante! O risco da pandemia se mantém alto na cidade.