Base dinista esfarela no Maranhão…

A base política de sustentação do governador do MA, Flávio Dino (PCdoB), vem desmoronando dia a dia no estado.

Mistura

A questão é que Flávio Dino só é comunista de raiz no grande sul do país e nos jornais do eixo de comunicação dessa parte do Brasil. ‘Coisa para inglês ver’… No seu Maranhão, porém, ele se mistura desde à esquerda, direita, extrema direita, centro e o que mais vier.

Coronelismo

Daí a confusão, hoje, nesta plaga nordestina entre as múltiplas e heterogêneas correntes políticas que digladiam entre si pelo poder interiorano, o qual, no geral, na sua essência, em nada mudou quanto às disputas e práticas coronelescas ancestrais da região.

Exemplos em vídeo:

Reveja aqui dois exemplos dessa maléfica constatação… Exemplo umExemplo dois.

Confusão nas ‘Araras’ provoca grande desconforto na base legislativa do governo…

Confusão das grandes no referido povoado envolvendo tratores e um morro a ser cortado ao meio.

Enredo

A história tem um enredo no qual se opõem de um lado o vereador Antônio Ximenes e do outro um sujeito político cujo nome lembra o do famoso ensaísta, prosador, poeta, conferencista, filósofo e pintor de origem libanesa Gibran Khalil Gibran.

Chique

É briga chique, pois, sim, haja vista que o desafeto de AX é quindinho de Fábio Gentil e agiria segundo as ordens do prefeito!

As voltas da política: antes refugado em palácio, o ex-prefeito Paulo Marinho é agora recebido a qualquer momento pelo prefeito Fábio Gentil…

A foto acima é por si só explicativa da relação atual entre o prefeito Fábio Gentil (PRB) e o ex-prefeito Paulo Marinho…

O avalista

…Com o poder de avalizar ou não a permanência do rebento agora deputado federal Paulo Marinho Júnior (PL) na base governista em Caxias, ‘PM Véi’ exibe satisfação e contentamento…

Voltas da política

…São as voltas da política… Antes com dificuldade para conseguir um encontro com ‘Cabeludo’, agora, Paulo Marinho não se depara mais com portas fechadas no Palácio da Cidade!

Termômetro político local…

Na primeira sessão legislativa pós-recesso, segunda-feira passada, vereadores da base governista criticaram o governador Flávio Dino em relação ao IML/Caxias, à “falta de envio de recursos para Caxias”, e outros itens.

Nesse entremeio, o presidente da Casa, vereador Catulé, aparteou dizendo: “Desejo que continuemos trilhando no diálogo, sem agressões e, sobretudo, com respeito, como sempre foi nessa legislatura que nós estamos vivendo (…)” E, de fato, não obstante as críticas, ninguém apelou para baixarias. O vereador Edilson Martins fez uma defesa indireta de Dino ao propor que os colegas virassem os olhos para o município, para discutir a cidade, deixando o estado de lado… De qualquer forma, no reinício dos trabalhos já se teve uma noção do que poderá vir por aí, caso os ânimos políticos locais se inflamem mais.

Pois a Câmara Municipal, como o termômetro que é da relação político-partidária local, naturalmente será palco de reverberações do que irá acontecer daqui em diante no campo eleitoral, nas ruas e nas articulações de bastidores que se processam no rumo da eleição de 2020. No caso da sessão de segunda passada, os ânimos só não se acirraram mais porque nem Thais Coutinho, Tevi ou Aureamélia Soares alimentaram a discussão, preferindo os três se abster das colocações dos colegas governistas quanto à gestão estadual… (Publicado na coluna Caxias em Off, Jornal Pequeno de quarta-feira, 05/02/20).

Atuais aliados do prefeito Fábio Gentil dizem que não confiam mais nele…

não confiam…

A afirmação acima se ouve nas conversas de ruas e nos bastidores… E aí vem a pergunta: mas por que então os aliados não rompem com ‘Cabeludo’?…

Para onde ir

…Resposta: “Ninguém rompe porque não haveria mais para onde ir”, respondem os palacianos…

Outra trincheira

…Ou seja, embora discordem de Fábio Gentil (PRB), das suas prioridades gerenciais e/ou não mais confiem nele, os aliados não saem do entorno do Palácio da Cidade porque não haveria outra trincheira para onde ir…

trincheira: foto ilustrativa

Mecenas

…É prosaico, mas é isso mesmo. Hoje, os políticos só são rebeldes se tiver outro lugar para onde ir. Nenhum deles é capaz de encontrar seus próprios caminhos sem um ‘mecenas’ que os banque”… Ponto final!!!