O ex-vice prefeito Zé Miguel Viana é o novo secretário de Infraestrutura de Caxias…

Ex-vice-prefeito nas gestões Ezíquio Barros e Márcia Marinho, o engenheiro civil Zé Miguel passa a ocupar o lugar deixado vago por Murilo Novais na administração pública caxiense.

A história já circulava nos bastidores, mas poucos acreditavam que Zé Miguel viesse a aceitar o encargo, como aceitou.

Prefeito de Caxias e filha pré-candidata a deputada federal em 2022: tudo por votos…

Campanha eleitoral antecipada. O prefeito de Caxias MA, Fábio Gentil, faz de tudo para eleger a filha Amanda Gentil deputada federal em 2022… E até lá tem muito chão para ‘Cabeludo’ ir arrastando a ‘Viúva’ atrás de si aos trancos e barrancos!

Confira no vídeo abaixo:

A pressa de Ferdinando Coutinho…

A intempestiva declaração do prefeito de Matões, Ferdinando Coutinho, quanto a apoiar Weverton Rocha e não Carlos Brandão para o governo do estado ecoou forte nos bastidores da Princesa do Sertão.

O caso é que a deputada Cleide Coutinho nunca negou que sua relação é mais forte com Flávio Dino do que com Weverton Rocha.

E todo mundo sabe que Dino prefere Carlos Brandão como seu sucessor, e não Weverton Rocha. É possível, portanto, que o grupo Coutinho poderá se dividir em dois palanques majoritários em 2022 na região leste maranhense… Em um que irá com Brandão e outro que irá com Weverton Rocha.

Sopa no mel…

A disputa interna que prevalece no grupo Coutinho é sopa no mel para o grupo Gentil.

Nos bastidores, o prefeito Fábio Gentil e aliados vêm rindo com as paredes desde que Ferdinando Coutinho abriu a boca em Matões para falar de candidatura de deputado do grupo em 2022.

Para ‘Cabeludo’, quanto mais os Coutinho se estranharem internamente melhor ficará o jogo político em 2022 para os atuais inquilinos do Palácio da Cidade.

Deputada Cleide Coutinho ainda não bateu o martelo em relação a 2022…

Mais uma vez, circula a informação de que a deputada Cleide Coutinho (PDT) teria desistido de disputar a reeleição.

Porém, agora, a história é que em seu lugar será lançada a primeira-dama de Matões, Cláudia Coutinho, candidata a uma vaga na Assembleia em 2022.

Antes, o que se anunciara era que o empresário Eugênio Coutinho seria o candidato da família encarregado da missão de manter a cadeira do grupo no Parlamento estadual.

No entanto, por enquanto, nem uma coisa nem outra… O que há, na verdade, é uma intensa disputa familiar interna que resulta em informações contraditórias. Poderia até dar Cláudia Coutinho na jogada, decerto, mas isso ainda vai depender de muitos acertos no clã de ex-governantes caxienses.

Caxias não tem mais uma opinião pública exigente com o poder…

A opinião pública caxiense deixou de ser a mesma há muito tempo. Sobre a nomeação de parentes, por exemplo, à exceção de manifestações em redes sociais na internet, no geral, ninguém mais se manifesta nas ruas contra o prefeito.

Vide o recente caso da nomeação da filha do prefeito, Amanda Gentil, como secretária de Governo e Articulação Política, uma clara medida destinada apenas a dar um ar de legalidade à movimentação da moça por dentro da administração.

Na verdade, aquelas antigas manifestações políticas que se viam com frequência no asfalto central da Princesa do Sertão, estas acabaram.

Os antigos e abundantes movimentos sociais organizados que faziam da política caxiense uma das mais efervescentes do estado sumiram e seu líderes ou envelheceram ou morreram, levando consigo o ânimo da contestação aos inquilinos temporários do Palácio da Cidade.

Ministro Barroso diz que atuar contra eleição é crime de responsabilidade…

Matéria Redação RBA

Além de Luís Roberto Barroso, o futuro presidente do TSE, Alexandre de Moraes, também afirmou que “não serão admitidos” atos contra a democracia e o Estado de direito.

Barroso lembrou que com a urna eletrônica quatro presidentes foram eleitos, incluindo o atual. ‘O sistema não só é íntegro como permitiu a alternância no poder’.

São Paulo – Em resposta a seguidos ataques do presidente da República, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou nesta sexta-feira (9) que atuar para impedir eleições configura crime de responsabilidade.

Durante o dia, houve várias reações críticas às declarações de Jair Bolsonaro, que ofendeu Barroso e voltou a pôr em dúvida a realização da eleição de 2022. Ele insiste na questão do voto impresso, proposta que patina na Câmara.

“A realização de eleições, na data prevista na Constituição, é pressuposto do regime democrático. Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade”, disse Barroso, em nota (confira a íntegra no final deste texto).

Quem também se manifestou foi o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que estará à frente do TSE durante o processo eleitoral do ano que vem.

Confiança nas instituições

“Os brasileiros podem confiar nas Instituições, na certeza de que, soberanamente, escolherão seus dirigentes nas eleições de 2022, com liberdade e sigilo do voto”, declarou Moraes em rede social. “Não serão admitidos atos contra a democracia e o Estado de Direito, por configurar crimes comum e de responsabilidade.”

Para Barroso, as declarações do presidente da República foram lamentáveis “quanto à forma e ao conteúdo”. Ele reafirmou que, desde a implementação das urnas eletrônicas, em 1996, nunca se documentou qualquer episódio de fraude. Por esse sistema, lembrou, foram eleitos os presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e o próprio Jair Bolsonaro, em 2018. “Como se constata singelamente, o sistema não só é íntegro como permitiu a alternância no poder.”

Sem retrocesso

Aliado de Bolsonaro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que o parlamento não vai admitir retrocesso, mas evitou citar o presidente. “Tudo quanto houver de especulações em relação a algum retrocesso à democracia, como a frustração das eleições próximas vindouras do ano de 2022, é algo que o Congresso Nacional, além de não concordar, repudia, evidentemente”, declarou.

Além da dificuldade de emplacar o voto impresso, o presidente da República tem visto sua popularidade cair, conforme apontam pesquisas recentes. E os últimos levantamentos mostram ainda que se as eleições fossem hoje ele perderia a eleição para Lula, aumentando sua irritação e intensificando os ataques. Ontem, por exemplo, ele usou termo chulo para se referir à CPI da covid.

Leia a nota na íntegra:

Tendo em vista as declarações do Presidente da República na data de hoje, 9 de julho de 2021, lamentáveis quanto à forma e ao conteúdo, o Tribunal Superior Eleitoral esclarece que:

1. Desde a implantação das urnas eletrônicas em 1996, jamais se documentou qualquer episódio de fraude. Nesse sistema, foram eleitos os Presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro. Como se constata singelamente, o sistema não só é íntegro como permitiu a alternância no poder.

2. Especificamente, em relação às eleições de 2014, o PSDB, partido que disputou o segundo turno das eleições presidenciais, realizou auditoria no sistema de votação e reconheceu a legitimidade dos resultados.

3. A presidência do TSE é exercida por Ministros do Supremo Tribunal Federal. De 2014 para cá, o cargo foi ocupado pelos Ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso. Todos participaram da organização de eleições. A acusação leviana de fraude no processo eleitoral é ofensiva a todos.

4. O Corregedor-Geral Eleitoral já oficiou ao Presidente da República para que apresente as supostas provas de fraude que teriam ocorrido nas eleições de 2018. Não houve resposta.

5. A realização de eleições, na data prevista na Constituição, é pressuposto do regime democrático. Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade.

Brasília, 9 de julho de 2021.

Ministro Luís Roberto Barroso Presidente do Tribunal Superior Eleitoral

Catulé Júnior assina ficha no PSB…

O secretário estadual de Turismo, Catulé Júnior, se filiou ao PSB no Maranhão. O ato de filiação aconteceu na quinta-feira (8/07), no Espaço Orienta, no Renascença. O evento foi comandado pelo presidente do partido no Estado, governador Flávio Dino.

“Esse é o lugar que quero estar para enfrentar as batalhas que virão e me junto aos que acreditam que o desenvolvimento vem do livro na mão, da comida na mesa e da vacina no braço. E, claro, com a certeza que moramos em uma terra de encantos e que precisamos ampliar o turismo como fonte de renda e empregos.  Acredito que é possível fazer política séria com compromisso, com verdade e com vontade”, realçou Catulé Júnior em seu discurso.

O caxiense Catulé Júnior deve disputar uma cadeira na Assembleia em 2022.

Fábio Gentil desdenha dos opositores…

O vereador oposicionista Daniel Barros já havia entrado no Ministério Público com uma representação contra o prefeito Fábio Gentil pelo fato do mesmo ter nomeado anteriormente a filha Amanda Gentil assessora especial de sua gestão. Por conta disso, o parlamentar acusou o mandatário local de nepotismo… Reveja aqui.

Mas agora Fábio Gentil nomeou a rebenta Amanda Gentil secretária de Governo e Articulação Política. A nomeação da moça está no Diário Oficial do Município do dia 1° de julho.

Ou seja, o prefeito não só faz como continua fazendo e ainda desdenha dos opositores. Pois vale lembrar que ele também nomeou no passado secretário da Fazenda e Finanças o seu irmão Talmir Rosa, este já falecido por complicações da covid-19… E nem por isso sofreu alguma sanção jurídica.