O dilema de Erika Albuquerque…

‘O dilema do taxista: memórias apátridas’, da debutante Erika Albuquerque (22 anos), é um espelho quebrado. Fragmentário e descontínuo, ele é como um rito de exorcismo da infância banhado pelos vislumbres simultaneamente temíveis e encantadores da juventude adulta.

Ficção de tonalidade autobiográfica, escrito no limiar da fala, envolvido numa atmosfera confessional, o livro tem a linguagem elegante de uma leitora apaixonada e a honestidade desconcertante das páginas arrancadas de um diário adolescente.

Família, amor, sexo, cultura, sonhos, frustrações, cansaços, remédios – tudo fluindo pelo corpo-palavra de uma narradora que tenta se constituir à medida em que se fende (como a pedra que não se esculpe sem lascas).

Não espere ali um posicionamento técnico/estético ao gosto dos literatos de carreira, que escrevem de olho no comentário do crítico. Erika só escreve para não sufocar: menina que aprendeu a se refugiar na leitura, ela emerge mulher de sua própria narrativa.

Com 87 páginas de uma diagramação charmosa, o livro foi editado pela Pedro & João Editores, teve o que a autora chamou de “apadrinhamento” de uma lista carinhosa de professores, e está em pré-venda. Entre em contato com a autora pelo 99 98843-8699 (Por Isaac Sousa).

Morre o poeta Thiago de Mello, grande defensor da floresta…

Thiago de Mello era um grande defensor da floresta e dos direitos humanos. Lutou contra a ditadura e celebrou a liberdade e a verdade no poema ‘Os estatutos do homem’.

Correio Braziliense/Nahima Maciel

Uma das vozes mais importantes na defesa da Amazônia, o poeta Thiago de Mello morreu nesta sexta-feira, aos 95 anos.

A informação foi confirmada pela editora Global, que publicou nota sobre o poeta e ativista nas redes sociais: “É com grande pesar que comunicamos a morte do autor Thiago de Mello, aos 95 anos. Grande tradutor, ensaísta e um dos nomes mais influentes e respeitados da poesia brasileira, Mello ficou conhecido como um ícone da literatura regional e sua perda será sentida não apenas pela sua família e aqui na Global, mas em todo o país”, diz a nota.

O poeta morreu em Manaus e a causa não foi revelada. O velório será na capital amazonense. O governador do Amazonas, Wilson Lima, decretou luto oficial de três dias.

Thiago de Mello nasceu em Barreirinha (AM), em 1926, e se engajou na luta política e na defesa da natureza ao longo de toda a carreira. É dele o poema ‘Os estatutos do homem’, publicado em 1964, no qual defende a verdade, a vida e a natureza. Além do engajamento político e ambiental, Thiago de Mello também era grande defensor dos direitos humanos.

Ao longo de mais de 60 décadas de carreira, ele publicou 12 livros de poesia e oito de prosa. O poeta lutou contra a ditadura e, por isso, acabou perseguido e exilado. Viveu na Argentina, em Portugal e no Chile, onde conheceu e fez amizade com o Nobel Pablo Neruda.  

Nota da Editora Global:

“É com grande pesar que comunicamos a morte do autor Thiago de Mello, aos 95 anos. Grande tradutor, ensaísta e um dos nomes mais influentes e respeitados da poesia brasileira, Mello ficou conhecido como um ícone da literatura regional e sua perda será sentida não apenas pela sua família e aqui na Global, mas em todo o país.

O autor, que nasceu em Barreirinha, Amazonas, em 30 de março de 1926, tem também a luta política, o lirismo, a natureza, as relações de família e os amores como facetas marcantes em sua obra.

Preso durante a ditadura militar (1964-1985), exilou-se no Chile, encontrando em Pablo Neruda um amigo e colaborador. Da amizade veio a decisão de traduzirem os poemas um do outro.

Mello morou na Argentina, no Chile, em Portugal, na França e na Alemanha. Voltou à sua cidade natal, onde vivia até hoje, apenas após o final do regime militar no Brasil.

Publicou, entre outros livros, ‘Faz Escuro mas Eu Canto’, ‘Acerto de Contas’, ‘Como Sou’, ‘Melhores Poemas e Amazonas – Pátria da Água’. Suas obras foram traduzidas para mais de trinta idiomas.

É hora de celebrar seu legado e se apoiar no seu lirismo para manter sua memória viva. A Global deseja forças para sua família neste momento tão difícil.”

Já está à venda a autobiografia do economista e escritor Antônio Brandão…

Saído do prelo recentemente, o livro do autor pelo autor, editado pela Viegas (ligada à AMEI), contém 229 páginas e é dividido em 5 capítulos ou partes: Vivências,  Romances, Vida profissional, Viagens e Galeria de fotos.

A obra de Antônio Brandão foi prefaciada por Daniel Blume, presidente da ALL, e comentários nas ‘orelhas’ por Luiz Raimundo Carneiro de Azevedo.

A foto da capa foi feita em frente à Igreja de São Judas Tadeu, santo do qual o autor é devoto, no bairro Jabaquara, em São Paulo (SP).

Eleitos os novos imortais da Academia Caxiense de Letras…

Eis a relação dos novos imortais eleitos para a Academia Caxiense de Letras (ACL): Joseneyde Ferreira Vilanova, cadeira 02, patrono Clóvis Beviláqua Vidigal; Erlinda Maria Bittencourt, cadeira 10, patrono Raimundo Nonato da Silva (Déo Silva); João Batista Medeiros Filho, cadeira 11, patrono José do Rego Medeiros; Nelson Silva Almada Lima, cadeira 38, patrono Teodoro da Silva Ribeiro Júnior; e Isaac Gonçalves Souza, cadeira 39, patrono José Guilherme de Abreu…

A eleição aconteceu hoje pela manhã, na sede da Casa de Coelho Neto. Os cinco novos imortais acima concorreram com vários outros intelectuais pretendentes. Em alguns casos, a disputa pelas cadeiras da ACL foi bastante acirrada.

Também foram eleitos para comandar a nova diretoria da Academia Caxiense de Letras (ACL) o confrade Ezíquio Barros (presidente) e a confreira Joseane Maia (vice-presidente).

Eleição de novos membros da Academia Caxiense de Letras…

No último dia 13 de agosto encerrou-se o período de inscrições para candidatura de novos membros da Academia Caxiense de Letras.

A ACL é uma instituição cultural composta por um quadro de 40 membros efetivos. As cadeiras são ocupadas vitaliciamente (a não ser que seu ocupante renuncie).

Nesta eleição há cinco cadeiras vagas, que estão sendo disputadas pelos seguintes candidatos:

Para a cadeira n° 02

1 Joseneyde Ferreira Vilanova

Para a cadeira n° 10

1 Alberto Pessoa;

2 Ana Rosária Soares da Silva;

3 Antônio Cruz Gonçalves;

4 Erlinda Maria Bittencourt;

5 Maria Alzenira Pinho Vanderley;

6 Paulo Rodrigues dos Santos Filho.

Para a cadeira n° 11

1 João Batista Medeiros Filho;

2 Gilmar Pereira Silva;

3 Ronne David Silva de Sousa.

Para a cadeira n° 38

1 Ana Lúcia e Silva Pinho Gonçalves;

2 Eliseu Arruda de Sousa

3 José Carlos Aroucha Filho

4 Márcia Regina dos Reis Luz

5 Nelson Silva Almada Lima

Para a cadeira n° 39

1 Elany de Maria Moraes da Silva

2 Isaac Gonçalves Souza

3 Márcia Cristina Silva Oliveira

10 poetas da Academia Caxiense de Letras na Literatura & Fechadura…

Xilogravura de Tita do Rêgo Silva

A Revista Literatura & Fechadura publicou uma seleção de poemas de 10 poetas que pertencem à Academia Caxiense de Letras, de Caxias MA.

São eles Ana Luiza Almeida Ferro + Carvalho Junior + Edmilson Sanches + Inês Maciel + Jorge Bastiani + Naldson Carvalho + Quincas Vilaneto + Renato Meneses + Silvana Meneses + Wybson Carvalho.

Com edição de Jean Narciso, pela publicação, e seleção de textos de Carvalho Junior… Confira aqui.