A história abandonada na Princesa do Sertão…

Foto IBGE

Proprietários de prédios históricos no centro de Caxias deixam de cuidar dos mesmos para que desmoronem, venham abaixo e, assim, depois, possam vender apenas os terrenos, hoje calculados em altas cifras financeiras.

Ninguém fiscaliza

E como não há mesmo ninguém fiscalizando o patrimônio histórico material e imaterial caxiense, o método funciona.

Aniquilação

Haja vista que o governo local não está nem aí, nem os que se dizem defensores da rica memória do município, a aniquilação da lembrança regional prossegue.

Crueldade

Uma crueldade com a história de uma cidade que contribuiu para a formação do próprio estado brasileiro. É uma destruição feita aos olhos de todos.

Fotografias

No futuro, com sorte, diga-se, a história da Princesa do Sertão viverá apenas em fotografias, como na foto acima.

Há 19 anos em Caxias…

túnel do tempo…

09 de fevereiro de 2001

Assembleias

Separados por uma linha imaginária, os grupos que disputam a Associação Comercial realizaram sessões em lados opostos do auditório da entidade. Ambos divulgaram os resultados das assembleias. Do lado de Catulé, a nota diz que a reunião, para “prestar contas à categoria, foi tumultuada por um pequeno grupo de pretensos sócios”. E que um dos integrantes “agrediu verbalmente e fisicamente um colega classista”. Ressalta ainda que “75% dos sócios aptos” referendaram a permanência da atual diretoria.

Assembleias II

Do lado de Hélio Queiroz, diz-se que os associados declararam a vacância dos cargos da diretoria e constituíram “uma Junta Governativa Provisória para responder pela administração da entidade até a realização da eleição e posse dos novos diretores”. Assinam o documento Pedro Oliveira (presidente), Edson Amâncio (secretário), Antônio Apolônio (tesoureiro) e Elmary Machado Torres e João Antônio dos Santos Neto.

Divergência

Os advogados de Catulé, Edmundo Coutinho, Washington Torres e Dilson Lopes asseguram que a atual diretoria tem um mandato legítimo. A ‘Junta Governativa’ eleita argumenta que o mandato do ex-vereador encerrou “ano passado, em junho de 2000, de acordo com o artigo 28 do estatuto da ACC”.

Espetadas

Os defensores de Catulé declaram que os integrantes do grupo dissidente “são sócios irregulares, não estão quites com as obrigações classistas e não representam a categoria empresarial. A balbúrdia na assembleia demonstra que eles não são pessoas respeitáveis”. Os partidários de Pedro Oliveira, presidente da junta, afirmam que “temos ao nosso lado todo o peso da classe empresarial, homens sérios, de negócio, que querem dar um rumo digno à entidade que nos representa. Do outro lado só há políticos profissionais, na maioria vereadores derrotados nas últimas eleições”.

Parecer

O procurador regional eleitoral, Sergei Medeiros de Araújo, manifestou-se favorável ao provimento do recurso interposto pelo defensor de Tânia Cantalice, advogado Firmino Filho. Se o parecer for acatado pelo TRE, será excluída da sentença a anulação dos votos dados à vereadora nas 9 seções eleitorais de Nazaré do Bruno. Na condenação em primeira instância, o juiz Carlos Veloso desconsiderou os 95 votos obtidos ali pela referida vereadora. Seu cabo-eleitoral, Vicente Pereira Júnior, distribuiu traves de futebol a eleitores, no período da campanha, na localidade.

tânia cantalice

Queda

Sobre a nota ‘Queda’, de domingo passado, o vereador Zé Cláudio diz que não assumiu com liminar. A ação movida pelo vereador Álcio Araújo foi contestada antes da expiração do prazo legal. Segundo ele, “o juiz Carlos Veloso recebeu o recurso em caráter suspensivo e devolutivo”. O processo ainda tramita em primeira instância.

Alvoroçado

O meio político caxiense anda alvoroçado à espera da leitura do acórdão onde consta recurso especial interposto pelos advogados de Humberto Coutinho questionando a absolvição de Márcia Marinho no TRE.

Picolé de cachaça

O tradicional ‘Picolé de cachaça’ não irá percorrer as ruas de Caxias no Carnaval. Paulo César Assunção, o Fiapu, ‘picolezeiro momino oficial’, diz estar “sem graça” e não vê estímulo para alimentar a brincadeira.

Há 19 anos em Caxias…

túnel do tempo…

02 de fevereiro de 2001

Descendo do palanque

Passado um mês de sua administração, a prefeita Márcia Marinho divulgou anteontem o calendário de pagamento dos funcionários municipais e primeira e segundas parcelas do décimo-terceiro. Segundo a tabela, o recebimento dar-se-á entre o final de cada mês e o dia 6 subsequente. O décimo em junho e dezembro. Esta é a primeira medida concreta anunciada à população pela chefe de governo…

Drama

…O atraso de salários se constitui num drama para os barnabés caxienses há décadas. Os que mais sofrem são os vinculados à área da educação, que desde 1996 são vítimas de consecutivos “desdobros” e já ficaram sem ver a cor do dinheiro por três meses seguidos. Essa irregularidade na data de pagamento não só atinge o trabalhador público em suas necessidades básicas como também afeta seu crédito junto ao comércio e instituições bancárias. Se forem cumpridas as metas estabelecidas no calendário, a economia local ganhará reforço e poderá respirar com mais facilidade. Além, é claro, da data certa abrir campo para uma programação financeira racional dos gastos e aliviar a tensão da dúvida que sempre ronda o pai e a mãe de família no final do mês…

márcia marinho…

Desce do palanque

…Com a medida Márcia também desce do palanque de campanha e assume uma posição mais identificada com o mandato que o povo lhe deu. Durante todos esses dias de estreia seus assessores haviam apenas criado factóides na imprensa, alimentado previsões apocalípticas e divulgado realizações virtuais. Talvez daqui pra frente eles consigam diferençar picuinhas e promessas de realizações concernentes aos deveres do Executivo municipal.

Ordem de serviço para início das obras de revitalização do IHGC acontece amanhã: o prédio da instituição terá um moderno complexo cultural…

prédio ihgc…

Acontece nesta terça-feira (14), às 16h, na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Caxias (IHGC), a assinatura da ordem de serviço para o início das obras de revitalização da entidade.

O IHGC terá sua sede revitalizada com a implantação de um moderno complexo cultural. A diretoria da instituição conseguiu apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN-MA) para construção de um teatro, auditório, cinema, área de exposição e uma ampla biblioteca, com laboratório de restauração e digitalização de documentos.

No ano de 2013, o presidente do IHGC, Arthur Almada Lima Filho, enviou o projeto de revitalização da sede à então superintendência do IPHAN-MA, que havia se comprometido em atendê-lo, uma vez que a instituição já galgava expressiva atuação na cidade.

Deverão comparecer ao evento associados, efetivos, mantenedores, correspondentes e beneméritos do IHGC, a diretoria e os representantes do IPHAN-MA, além de autoridades locais. Portal Noca.