Weverton descasca o vice-governador Brandão e joga no ventilador a disputa de 2022…

Ontem (15/9), em discurso em Colinas MA, o senador Weverton Rocha (PDT) jogou para fora e no ventilador político-partidário toda a disputa intestina que acontece desde já no grupo do governador maranhense Flávio Dino (PCdoB) em relação à eleição estadual de 2022… Ouça mais abaixo o vídeo/áudio.

Para cima

No palanque no município, o senador pedetista fez questão de expor as arestas internas que permeiam a relação no heterogêneo grupo político-partidário que dá sustentação ao governo do MA e partiu para cima do vice-governador Carlos Brandão (PRB) com todo gás.

Caxias

Uma pena que quando Weverton se refere a Caxias, incluindo a mesma pendenga estadual, o áudio fica inaudível, mas com certeza esse é um capítulo também interessante da briga de foice política entre governistas maranhenses, antes surda e agora escancarada em público.

Ouça o áudio abaixo:

Movimentos de Cleide Coutinho e Fábio Gentil…

A deputada Cleide Coutinho (PDT) e o prefeito Fábio Gentil (Republicanos) vêm se movimentando em vários municípios do leste e de outras regiões.

Manter e consolidar

No caso de CC, a mesma busca manter e consolidar suas antigas bases eleitorais, construídas ainda na trajetória política do marido e ex-presidente da Assembleia Humberto Coutinho, que foi diversas vezes deputado, prefeito e, por último, chefe do Parlamento estadual.

Projeto futuro

Já no caso de FG, essa movimentação em municípios vizinhos e mais distantes só se justificaria em um projeto político de maior alcance no futuro, haja vista que o prefeito é candidato à reeleição em Caxias e deveria ser aqui o seu foco principal.

Assembleia ou Câmara?

Assim, é óbvio que Fábio Gentil já se articula com vistas à Assembleia ou à Câmara Federal em 2022.

A luta pela sobrevivência partidária em 2020 e 2022…

A cláusula de barreira partidária, aprovada via Proposta de Emenda à Constituição (PEC), em 2016, estabelece que até as eleições de 2022 os partidos precisam obter pelo menos 1,5% dos votos válidos para deputado federal em, pelo menos, um terço das unidades da federação, com, no mínimo, 1% dos votos em cada uma delas.

Exigências

E ainda que os partidos precisam eleger, ao menos, nove deputados federais em, no mínimo, nove unidades da federação, caso o partido não consiga cumprir a exigência anterior… Depois de 2022 haverá novas mudanças na legislação eleitoral.

Fim das coligações

Afora o acima, unido à cláusula de barreira, veio o fim de coligações nas eleições proporcionais, que abrangem os cargos de deputado estadual, federal e distrital, além de vereadores.

Eliminados

Partidos que não conseguirem cumprir as diretrizes acima serão naturalmente eliminados do cenário político-partidário brasileiro.

Sobrevivência

Daí também o porquê de tantas candidaturas a prefeito e a vereador nos municípios do país: o que é, na prática, uma tentativa de as siglas sobreviverem aos testes eleitorais de 2020 e 2022.

Bolsonaro venceria todos os adversários em 2022…

Segundo o Instituto Paraná Pesquisas, se as eleições presidenciais de 2022 fossem disputadas agora, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) venceria em todos os cenários do primeiro turno. A pesquisa foi feita a pedido da revista Veja e publicada hoje (24/07).

Em um eventual segundo turno, Bolsonaro também ganharia de seus potenciais adversários, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, o ex-governador do Ceará Ciro Gomes, o ex-ministro Sergio Moro, o governador de SP, João Doria, e o apresentador global Luciano Huck.

Com segundo turno sem a participação de Lula (36,4%), Moro seria o candidato mais bem colocado contra Bolsonaro. O chefe do Executivo aparece com 44,7% dos votos contra 35% do ex-juiz.

Esse resultado, porém, se contradiz com a avaliação do presidente feita na mesma pesquisa. Na avaliação, 48,1% dos brasileiros desaprovam a gestão de Bolsonaro e 38% a consideram ruim ou péssima.

Fábio Gentil vai apoiar a pré-candidatura ao governo do Maranhão de Josimar Maranhãozinho?…

Tem um detalhe importante que não ficou esclarecido no acordão fechado entre Fábio Gentil (Republicanos) e Josimar de Maranhãozinho (PL) para que Paulo Marinho Júnior (PL) componha de novo a chapa majoritária do primeiro como candidato a vice-prefeito de Caxias. Reveja aqui e aqui.

Pré-candidatura

O detalhe é que Josimar de Maranhãozinho tem trabalhado, por todo o estado, a própria pré-candidatura ao governo do Maranhão em 2022.

Comprometimento

Pois bem, agora uma primeira interrogação: no caso, Fábio Gentil também se comprometeu a apoiar Maranhãozinho para governador, se conseguir se reeleger na Princesa do Sertão?

Abandono na estrada

Segunda interrogação: se tiver havido esse acerto entre Gentil e Maranhãozinho, isso significa que o atual vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) será abandonado na estrada pelo correligionário Fábio Gentil na sua também pré-candidatura a governador do Maranhão?

Agora é papel juramentado e passado em cartório: Paulo Marinho Júnior não é mais vice-prefeito de Caxias…

para onde?!…

Uma vez protocolada e lida a carta-renúncia de Paulo Marinho Júnior na Câmara Municipal, o que aconteceu há pouco, o mesmo deixa de ser vice-prefeito e agora poderá fazer o que quiser, inclusive ser candidato a prefeito da Princesa do Sertão…

Tudo e mais ainda

…O que se diz nos bastidores estaduais é que Josimar Maranhãozinho teria prometido dar a PMJ tudo o que Fábio Gentil lhe prometeu e não cumpriu, e ainda muito mais…

Nova estrada

…Abre-se, assim, uma nova estrada no horizonte do primogênito do clã Marinho!…

O primeiro

…Com a renúncia de PMJ, o presidente da Câmara, vereador Catulé, passa a ser o primeiro na linha sucessória do atual governo municipal!

Fábio Gentil foi a São Luís pedir a Flávio Dino que não interfira na eleição em Caxias…

Quer dizer, pelo menos foi isso o que disse Gentil, por telefone, hoje, ao programa Ponto e Vírgula, da rádio Difusora FM…

“Meu chefe”

…Na sua fala ao programa, Cabeludo ainda se autodenominou “um soldado do chefe”… O seu chefe, no caso, seria o governador comunista…

Weverton ou Brandão?

…Mas ‘Cabeludo’ se embananou quando os entrevistadores lhe perguntaram se iria com Brandão ou Weverton em 2022… E, aí, novamente, após hesitar um pouco, disse que quem definirá isso será o chefe Dino!…

Arrego

…Como se vê, Fábio Gentil mudou sua estratégia para São Luís e, agora, pede arrego ao governador…

Ripa

…Mas, enquanto isso, ‘Cabeludo’ em nada alterou sua estratégia em Caxias, pois, ao mesmo tempo, também encarrega a tropa de choque dos vereadores governistas a meter a ripa em Flávio Dino na Câmara local, como se viu na sessão legislativa de ontem, a primeira pós-recesso parlamentar!

Lula veio a público desmentir reportagem, porém boato teve origem no PT…

Leonardo Sakamoto

A coluna conversou com pessoas próximas aos personagens envolvidos. Apesar de respeitar Flávio Dino, que vem fazendo oposição a Jair Bolsonaro, o ex-presidente segue vendo o nome de Fernando Haddad como o candidato natural, caso ele próprio continue impedido de concorrer.

De acordo com esses interlocutores, haveria pessoas interessadas, tanto no PT quanto no PCdoB, em transmitir a ideia de que Lula estaria querendo importar Flávio Dino para uma cabeça de chapa em 2022.

Jogo dos tronos esquerdista

Um grupo de petistas quer, com pressões como essa, forçar Haddad a concorrer à Prefeitura de São Paulo neste ano – o que, para muitos analistas, seria suicídio político, uma vez que a eleição do ano passado lhe deu projeção nacional. O ex-prefeito já afirmou que não vai e Lula respeita sua decisão – o que foi refirmado na entrevista que realizamos com ele, pelo UOL, na semana passada.

E haveria uma tentativa de gerar celeuma entre o PT e o PCdoB, promovido por alguns comunistas, que desejam aproximar o seu partido do Centrão e do outro polo da oposição, encabeçado pelo PDT e PSB, também segundo as fontes.

Isso não teria a participação do governador. Ele segue o papel que lhe cabe, buscando se cacifar para 2022. Mas haveria gente usando a oportunidade para seus projetos políticos.

Marta e Boulos já foram citados por Lula

Curiosamente, há duas pessoas sobre as quais Lula já expressou o desejo de que fizessem parte do PT, nomes considerados nas sondagens para as eleições municipais de São Paulo deste ano. Uma é Marta Suplicy, atualmente sem partido, que já foi prefeita pela cidade.

O outro é Guilherme Boulos, coordenador do MTST, que foi candidato à Presidência pelo PSOL.

Ambos têm potencial eleitoral na periferia. Na entrevista que nos concedeu na última semana, Lula afirmou que “existe uma periferia vermelha aqui em São Paulo que o PT pode, tranquilamente, recuperá-la e ter 30% dos votos”.

Em uma síntese de um dos ouvidos: “A única pessoa que sabe o que Lula vai querer em 2022 é a conjuntura de 2022″… UOL.

Lula atira balde de água fria sobre a cabeça de Flávio Dino…

Mal saiu a notícia no jornal O Globo sobre um eventual apoio do ex-presidente Lula à candidatura à presidência da República do governador maranhense Flávio Dino (PCdoB), eis abaixo o que publicou o mandachuva do PT nacional:…

Dino poderia ser o candidato a presidente do PT…

imagem ilustrativa…

O Globo

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), foi sondado pelo ex-presidente Lula para voltar ao PT, o que abriria a possibilidade de ele ser o candidato do partido para disputar a Presidência em 2022. Por ora, segundo interlocutores, não houve um convite formal, mas uma conversa com o ex-presidente, no último dia 18. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), também participou do encontro, que aconteceu pouco antes de uma reunião na Central Única dos Trabalhadores (CUT), em São Paulo.

Ao jornal Valor Econômico, em entrevista publicada ontem, Gleisi disse que o partido trabalha com a reedição da candidatura presidencial do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, mas admitiu que vê o governador do Maranhão como uma alternativa e ressaltou que ele “sempre foi muito leal à causa” do ex-presidente Lula.

Ao GLOBO, a assessoria da deputada reafirmou suas declarações, mas disse que Lula não fez um convite formal a Dino. Haddad, por meio de sua assessoria, qualificou a entrevista como “adequada”. Já o ex-presidente Lula não quis comentar.

Nas próximas semanas, Lula deve encontrar Dino no Maranhão para uma agenda política. Segundo petistas, o apreço do ex-presidente por Dino cresceu em razão da defesa enfática de Lula que o governador fez quando o petista estava preso em Curitiba. A avaliação é que os argumentos de Dino renderam credibilidade à defesa do ex-presidente, além de trazer fundamentos jurídicos com a experiência de quem já atuou na magistratura. Outro ponto a favor do governador foi seu apoio à ex-presidente Dilma Rousseff durante o processo de impeachment. Dino também tem relações de amizade e laços estreitos com o deputado Wadih Damous (RJ), o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e a própria Gleisi. A proximidade não é a mesma com Haddad, apesar de manter o diálogo com o petista desde a eleição de 2018.