Nem mel nem cabaça: secretário confirma existência da errata de inscrições…

“Levando em consideração o respeito ao seu trabalho e acreditando que tenha buscado informar com clareza e verdade os fatos, venho informar e pedir uma correção no que tange ao seu comentário sobre não ter sido comunicada a prorrogação das inscrições da chamada pública de nº 04/2020.  Pois foi publicada, sim, a errata de adiamento no Diário Oficial do Município. Além de contar com o auxílio da Comissão da Lei Aldir Blanc e a publicação do aviso em grupos artísticos, para que ficassem informados de tal procedimento.

Aproveitamos para reiterar que todo processo de construção da Chamada Pública citada não foi feito isoladamente, e sim com toda a Comissão da Lei Aldir Blanc, formada no município para tal fim, acreditando que a Secretaria venha a alcançar e a atender da melhor forma possível a classe artística cultural em todos os seus segmentos produtivos.

Desta forma, acreditando na forma imparcial de promover a comunicação verdadeira, pedimos que haja da parte de seu blog a correção do exposto, pois mandamos em anexo a referida errata da Chamada Pública nº 04/2020 apontada em sua postagem – Leonardo Lima, secretário de Cultura de Caxias.”

Errata

A errata pode ser conferida no Diário Oficial do Município de terça-feira, 13 de outubro de 2020.

Obs: não foi o editor da página que apontou a ausência de errata, mas sim produtores culturais locais, como se verifica nas aspas contextualizadas na postagem. Reveja a mesma aqui.

Nem mel nem cabaça pra cultura de Caxias…

A lei emergencial de auxílio à cultura, Lei Aldir Blanc, em Caxias, não é tratada como uma emergência. Os recursos estão disponíveis desde 12 de setembro de 2020, mas até agora nenhum real alcançou os segmentos.

O único edital lançado saiu meio capenga, com formulários de preenchimento ora redundantes, ora confusos. Até agora não se viu nenhum resultado prático.

Encerramento das inscrições

Para piorar, denunciam produtores culturais que “o encerramento das inscrições estava marcado para o dia 10 de outubro, conforme o edital, mas o secretário Leonardo Lima e seu assistente Maciel Mourão continuaram a receber inscrições durante toda a semana seguinte, embora nenhuma prorrogação tenha sido publicada, o que torna o processo todo irregular”.

Processo bugado

Com o processo bugado, a demora pode ser ainda maior… Como a Lei Aldir Blanc estabelece um prazo para a execução do recurso, existe o risco de o dinheiro ser devolvido… E aí nem mel nem cabaça pra cultura de Caxias.

Mafalda fica órfã aos 56 anos…

Mafalda fica órfã aos 56 anos… Seu pai, o cartunista Joaquín Salvador Lavado, o Quino, morreu aos 88 anos.

Mafalda era o alter ego de Quino… Através dela o artista desfiava suas críticas sociais aos costumes argentinos e mundiais. Além dos adultos, a docilidade e a irreverência da personagem cativaram crianças no mundo inteiro.

Nascida rejeitada, Mafalda veio à terra quando Quino, em seu primeiro emprego como desenhista, em 1962, a criou para ser usada numa campanha publicitária. Mas a menininha não foi aceita por nenhum jornal da época.

Passada a frustração, Quino, porém, dois anos depois, renasceu a personagem em 1964, agora na forma de tirinha. A primeira edição foi publicada no dia 29 de setembro daquele ano.  A partir daí, as histórias de Mafalda ganharam os impressos do mundo inteiro.

A menininha de seis anos, então, que nunca envelheceu até os 56 anos, fã dos Beatles, se tornaria uma incansável bandeira da luta contra as desigualdades sociais… E também a sopa no jantar… Livros de Mafalda foram traduzidos para mais de 30 idiomas.

A morte de Quino foi confirmada pelo editor Daniel Divinsky, no Twitter, que não deu detalhes sobre a ida do cartunista argentino: “Quino morreu. Todas as pessoas boas no país e no mundo vão chorar por isso”, lamentou Divinsky.

Mais uma chama de uma rica, histórica e esclarecedora época que se apaga.