A história abandonada na Princesa do Sertão…

Foto IBGE

Proprietários de prédios históricos no centro de Caxias deixam de cuidar dos mesmos para que desmoronem, venham abaixo e, assim, depois, possam vender apenas os terrenos, hoje calculados em altas cifras financeiras.

Ninguém fiscaliza

E como não há mesmo ninguém fiscalizando o patrimônio histórico material e imaterial caxiense, o método funciona.

Aniquilação

Haja vista que o governo local não está nem aí, nem os que se dizem defensores da rica memória do município, a aniquilação da lembrança regional prossegue.

Crueldade

Uma crueldade com a história de uma cidade que contribuiu para a formação do próprio estado brasileiro. É uma destruição feita aos olhos de todos.

Fotografias

No futuro, com sorte, diga-se, a história da Princesa do Sertão viverá apenas em fotografias, como na foto acima.

9 respostas para “A história abandonada na Princesa do Sertão…”

  1. Os erros cometidos nas gestões passadas no que se refere ao patrimônio público de Caxias são imperdoáveis, um crime contra a história da cidade, prefeitos que só pensaram em se locupletar, nada fizeram para preservar o centro histórico, prédios, casas, casarões foram abandonados e podem a qualquer momento desabar, pois as estruturas estão corrompidas pelo tempo, os transeuntes correm perigo ao caminhar perto de alguns prédios antigos, abandonados e sem manutenção, outros foram destruídos para servir de estacionamentos, as ruas foram asfaltadas sem planejamento, só para outros fins, a rua comercial do meio virou uma mercado a céu aberto, lixo, fedor das bocas de lobo perto da Casa do Estudante é uma “pouca vergonha”, a ganância e a especulação imobiliária estão corroendo a história e os órgãos competentes fazem vista grossa, as universidades não se manifestam. E, assim, aos poucos vamos perdendo a nossa história por descaso, desleixo e falta de cobrança da sociedade, vide o Cassino Caxiense, virou escombro, e logo será mais um estacionamento da cidade, bem como outros prédios centrais. Caxias realmente é a terra do Já Teve.

  2. Eu que o diga, o Bairro Tresidela tem uma contribuição imensa na história de Caxias, aqui começa esse município rico em cultura, e pelo visto nenhum representante do povo tem projetos em preservar a memória do seus ancestrais, como por exemplo as tribos indígenas, a Igreja de Nazaré e outros patrimônios públicos estão largados ao descaso. O meu desgosto maior é ver o Mercadinho do bairro cortados em pedaços por pessoas que chegam e se abuletam achando que a coisa pública é para ser tratada de qualquer jeito, e não é, obedecemos a um Código de Ética do Município, é preciso que os que estão à frente promovam cursos, palestras esclarecendo a população de como cuidar do bem público e não motivar a ocupação, dando como motivo o fechamento dos olhos, e/ou até mesmo os apadrinhamentos políticos.

  3. Acontece que são poucos os proprietários que têm condições e interesse de restaurar os prédios antigos. Na verdade, o único que tem condição financeira é o poder público, mais especificamente o IPHAN (autarquia federal), através da Superintendência Estadual do Patrimônio Histórico, que deveria financiar tais restaurações.
    Quem é proprietário não vai arcar com essa despesa, e também por isso ninguém quer comprar, pois sabe que não pode transformar em ponto comercial, ou seja, sem retorno financeiro.
    Resultado: é o que se vê, deterioração.
    Solução: atuação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

  4. É uma vergonha, cidade abandonada. lixo corre solto nas ruas de Caxias.
    A Igreja aqui do Ipem, atrás da igreja, é uma escuridão, um matagal!

    1. Responsabilidade do Estado, o que Roliço Soares e a Madame têm feito sobre o tema? Nada!
      Preocupados com a eleição, apenas encaminham emendas para “assaltarem” ruas, colocando Areia Asfalto Usinada a Quente de péssima qualidade sobre ruas revestidas de terras, sem atender aos mais elementares rudimentos da Engenharia Rodoviária.
      A lambança deve durar um ano, no máximo. O feito é apenas para produzir vídeos para a TVC (TV Cutia) fazer propaganda, tendo como âncora um outro Roliço, que já teve Paulo Marinho como dono.

    2. Como diz Ciro Gomes: Ai, dento!!!

      Qual o “patrimônio federal” de Caxias que está abandonado?

      Pergunta pra Dino Rolição, talvez ele saiba.

      1. Patrimônio Público Federal abandonado? Me lembrei que tecnocratas e canalhocratas estão desmontando o DNIT em Caxias, desempregando caxienses, tudo isso sob o olhar bovino dos Marinhos, dos Catulés dos Cabelludos, dos Cutias, da Madame e do Rilço, e até do Jotônio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *