O Memorial da Balaiada pede socorro…

Obras do Memorial da Balaiada não resistiram às chuvas que caíram nos últimos dias sobre a cidade. Inaugurado no dia 26 de junho de 2004, na cidade de Caxias MA, o museu remete à história da Guerra da Balaiada.

Hoje com vários problemas em sua estrutura física, paredes rachadas, infiltrações, o telhado e o forro da sede do memorial não suportaram as águas torrenciais que desabaram na região, o que comprometeu uma vasta documentação e réplicas feitas de barro contidas no seu interior.

Segunda feira foi dia de limpeza, triste a cena da casinha de barro literalmente derretida… O frágil material com que a mesma foi construída era a síntese da originalidade de um tempo de ontem e de hoje, a qual ainda se encontra em vários locais da zona rural da Princesa do Sertão.

1% dos mais ricos detém 38% de toda a riqueza produzida no mundo…

Desde 1995, os 50% mais pobres capturam apenas 2% do montante. Hoje, 520 mil bilionários, que fazem parte do 0,01% mais rico, concentra 11%.

crédito: observatório do terceiro setor

Agência O Globo

A pandemia da Covid-19 serviu para intensificar um fenômeno que ocorre há décadas: a concentração de riqueza no mundo. Desde 1995, o 1% mais rico capturou 38% da riqueza global produzida no período, enquanto o os 50% mais pobres ficaram com apenas 2% desse montante.

Hoje, um seleto grupo de 520 mil bilionários, que fazem parte do 0,01% mais rico, detém 11% da riqueza global. Esse número correspondia a 7% em 1995.

É o que mostra o último relatório “Desigualdade Mundial”, divulgado nesta terça-feira e produzido pelo laboratório de mesmo nome que tem o francês Thomas Pikkety (autor do best-seller “O capitalismo no século XXI”) como um dos seus coordenadores.

Os números do relatório são calculados com base na paridade do poder de compra. É nada mais que uma métrica que compara as moedas de diferentes países por meio de um índice que mensura o poder de compra.

O cálculo considera a quantidade de recursos necessários para adquirir um conjunto de bens e serviços em um país, que pode ser comparada com a de outros.

O principal autor do relatório e coeditor do laboratório, Lucas Chancel, destaca que a riqueza dos bilionários globais cresceu US$ 3,7 trilhões em 2020, quantia próxima ao montante de gasto público global com saúde no mesmo período, que foi de US$ 4 trilhões.

— Essa polarização no mundo não é algo novo. O que aconteceu durante a crise da Covid-19 é a exacerbação desse padrão que observamos desde o início dos anos 90. Há variações entre as regiões do mundo. Mas a parte mais pobre, um lado significativo da população em cada região, sistematicamente tem menos de 5% da riqueza — destaca Chancel.

Por riqueza, entende-se um recurso econômico que foi acumulado ao longo do tempo.

Ela surge tanto da acumulação de capital – que pode estar na forma de imóveis, ações e dinheiro – quanto dos efeitos do preço, isto é a valorização ou desvalorização, desses ativos.

E uma vez que a riqueza é uma fonte importante de ganhos econômicos futuros, além de poder e influência, a atual realidade é um presságio de aumento na desigualdade futura se nada for feito.

E essa desigualdade está presente em todos os continentes. A parcela de riqueza capturada pelos 10% do topo é sempre superior ou próxima aos 70%.

Na América Latina, os 10% do topo da pirâmide detêm 77% da riqueza total das famílias, muito superior a 1% capturado pelos 50% da base.

A comparação fica ainda mais clara quando se divide a riqueza média dos 10% do topo pela riqueza média dos 50% da base.

Na Europa, região menos desigual, os 10% mais ricos possuem cerca de 66 vezes a riqueza dos mais pobres, enquanto nas regiões mais desiguais esse número passa dos 100.

Olhando novamente para a América Latina, a riqueza média dos 10% mais ricos é 630 vezes superior a dos 50% mais pobres.

Os autores projetam que, em caso de manutenção das taxas de desigualdade de riqueza vistas nas últimas décadas, no ano de 2070, o 0,1% mais rico irá capturar mais de um quarto da riqueza global e, no final do século, essa parcela será maior do que os 40%.

E quando o critério de análise passa a ser a renda, o cenário não é muito diferente. Os 10% mais ricos possuem cerca de 52% da renda global, enquanto os 50% da base correspondem por 8% dela.

Na prática, isso quer dizer que os mais pobres ganham apenas €2,800, o equivalente a US$ 3,920 por ano. Já os 10% mais têm em suas mãos €87,200, correspondentes a US$ 122,100 por ano. Esse valor é quase cinco vezes maior que a média global.

A renda média do 1% mais rico é 144 vezes maior que a renda média do 50% mais pobres.

Por renda, entende-se o valor que os indivíduos recebem em seus contracheques, quando têm um, antes da cobrança de impostos e já contando os valores de pensão e aposentadorias.

Se dividirmos a renda média dos 10% mais ricos com os 50% da base, assim como fizemos com as taxas de riqueza, vemos que as regiões do norte da África e Oriente Médio, África Subsaariana e América Latina estão entre as mais desiguais.

Na América Latina, os 50% da base ganham 27 vezes menos do que os 10% do topo. Já no Brasil, os 50% da base têm renda média 29 vezes menor do que os 10% do topo.

Para Chancel, países que possuem sistemas de proteção social bem estabelecidos conseguiram conter a pobreza durante a crise da Covid-19, como ocorreu na Europa Ocidental.

— Políticas públicas importam. Políticas têm sido efetivas para atacar a pobreza e a desigualdade no passado e nós observamos um impacto positivo durante a crise da Covid-19 em certos países. Desigualdade e pobreza são escolhas políticas ao invés de restrições econômicas. Intervenção governamental é chave para atacar desigualdade e quando olhamos para diferentes regiões do mundo, algumas estão fazendo isso melhor que outras e isso é evidente quando olhamos para renda — disse.

No relatório, os autores destacam que um fenômeno que se tem visto em termos de desigualdade é a redução da desigualdade de renda entre os países, mas o aumento dela no interior dos países.

Outro ponto que chama atenção é o empobrecimento dos governos. Segundo o relatório, nos últimos 40 anos, os países tornaram-se mais ricos, mas a parcela da riqueza pública vem diminuindo enquanto a do setor privado cresce.

Essa tendência foi intensificada pela pandemia, quando muitos governos contrataram débitos para financiar programas de auxílio e aumentaram sua dívida.

Chancel destaca que essa é uma questão que os governos terão de enfrentar no futuro próximo.

— O que os governos fizeram durante a crise da Covid-19 foi jogar para baixo do tapete quem vai pagar a conta e agora essa questão está aberta para as sociedades. As gerações mais jovens vão pagar esse débito no futuro? A inflação vai contribuir para pagar esse débito?  — questiona.

No recorte por gênero, o cenário de desigualdade persiste. A participação das mulheres na renda do trabalho global pouco avançou da década de 1990 até hoje. Esse percentual se aproximava de 30% em 1990 e agora é de menos de 35%.

Os motivos da discrepância entre a participação de homens e mulheres já são conhecidos. Em geral, elas gastam mais tempo em atividades de trabalho não remunerado e, mesmo quando conseguem entrar no mercado formal, possuem rendimentos salariais menores.

O cenário vem mudando, ainda que a passos bem lentos. Um recorte que inclui Brasil, Costa Rica, Espanha, França e Estados Unidos mostra que em todos esses países ocorre um crescimento das mulheres no topo de suas distribuições salariais desde a década de 1990.

No Brasil, o percentual de mulheres brasileiras entre o grupo dos 10% mais bem assalariados cresceu de 24% em 1996 para cerca de 36% em 2018%.

Quando se olha o 1% dos mais bem assalariados, a participação das mulheres é menor, o que indica que ainda há um teto que não foi superado por elas. Vale destacar que a representação de mulheres no 1% aumentou mais rapidamente no Brasil e na Espanha do que nos Estados Unidos.

Chancel destaca que o estudo fornece sinalizações sobre o caminho que a desigualdade global vem trilhando, além de oferecer sugestões para os governos lidarem com esse cenário, que foi intensificado pela pandemia.

— Um mundo desigual e com sociedades mais desiguais tem mais dificuldades para enfrentar situações como a crise da Covid-19. Há vários benefícios para se mover para uma sociedade mais igual e um deles é estar em uma melhor posição para enfrentar os desafios do século XXI — disse.

A grande maioria dos prefeitos do país não aplicou 25/% da receita em educação…

Oito em cada dez prefeitos do país não teriam aplicado ao menos 25% da receita em educação, como obriga a Constituição.

Agora, toda essa turma corre o risco de ser enquadrada na Lei de Responsabilidade Fiscal e até se tornar inelegível por improbidade.

O argumento dos mandatários de que não havia no que investir com as escolas fechadas é no mínimo uma cretinice.

Casa de Saúde Dr. Humberto Coutinho comemora fim de ano

Um animado café da manhã, com sorteio de dezenas de brindes, reuniu a deputada estadual Dra. Cleide Coutinho (PDT); o prefeito de Matões, Ferdinando Coutinho (DEM), e a primeira-dama Cláudia Coutinho, familiares e centenas de colaboradores do seu hospital em Caxias, a Casa de Saúde Dr. Humberto Coutinho.

A Casa de Saúde é um hospital de referência e conta com cerca de 200 colaboradores e mais 98 médicos prestadores de serviços em diversas especialidades, atendendo milhares de pessoas de todo o estado. A hemodiálise, que atende centenas de pacientes de dezenas de municípios do Maranhão, é outra referência da qualidade dos serviços de saúde da instituição.

A casa de Saúde Dr. Humberto Coutinho, rebatizada há dois anos com o nome do seu fundador, é uma instituição que completará 50 anos em 2022, e a festa de confraternização anual é uma das atividades que a Dra. Cleide faz para expressar o agradecimento homenageando suas centenas de colaboradores.

Fábio Gentil apoia candidaturas a estadual de fora do município…

Apesar da insistência dos aliados, o prefeito de Caxias MA, Fábio Gentil, ainda não oficializou apoio específico a nenhum dos pré-candidatos a deputado estadual da região que integram a constelação palaciana.

Compõem a lista governista local de aspirantes ao mandato popular o secretário estadual de Turismo, Catulé Júnior, o presidente da Câmara, Teódulo Aragão, o secretário municipal adjunto de Urbanismo e sobrinho do prefeito, Gentil Neto, e o meio-irmão e ex-prefeito de Aldeias Altas Benedito Tinoco. De todos eles, porém, apenas Catulé Júnior é pré-candidato à Assembleia independentemente do apoio ou não de Fábio Gentil.

Por outro lado, o mandatário caxiense já trouxe à cidade pré-candidatos de outras regiões do estado, os quais aqui posaram ao lado da filha e pré-candidata a deputada federal Amanda Gentil. A última dos de fora, por sinal, a marcar presença na Princesa do Sertão foi a deputada estadual Daniella Tema.

Ou seja, ao contrário da posição do prefeito em relação aos aliados pré-candidatos a estadual de Caxias, a turma de fora da região estaria vindo à cidade já com a certeza de que, aqui no município, poderá contar com a ajuda eleitoral de Fábio Gentil em 2022.

Dra. Cleide leva mais asfalto para Tuntum

O prefeito em exercício de Tuntum, Nelson do Nanxi, vistoriou obra de asfaltamento no povoado São Lourenço, alto sertão da zona rural do município. A obra é fruto de emenda parlamentar da deputada Dra. Cleide Coutinho (PDT), que foi executada pelo Prefeito Fernando Pessoa.

O vice-prefeito Nelson do Nanxi e o presidente da Câmara, Ivalto Bilio, estiveram com a deputada para agradecer a emenda que levou asfalto para a zona rural e mais duas emendas que levarão sistema de água simplificado e uma ambulância para a saúde de Tuntum. “Dra. Cleide trabalha incansavelmente por nosso município e viemos aqui para agradecer seu empenho e contribuição para que Tuntum seja uma cidade cada vez melhor”, disse o vice-prefeito.